24 de jun de 2013

I can't get no satisfaction

Este é um post pessoal, resultados de meus devaneios, enquanto vitima de dieta..rs. 
Escrevi "vítima", pois às vezes é assim que me vejo - vítima, sofredora, dependente, apesar de ser uma atitude/escolha somente minha.
Fui uma criança gordinha, uma adolescente gorda e hoje sou uma adulta cheinha (odeio este termo, mas é isto mesmo).
Não me lembro de momentos em que não estive preocupada com meu peso ou minha aparência por ser gorda. Minha vida toda foi assim.
Hoje em dia, no auge dos meus 63kg e 1,65m de altura, escuto as pessoas me dizendo que estou muito magra. Muitas vezes, por parte de familiares, isto já deixou de ser elogio e passou à crítica. Todos estão acostumados a me ver gorda...ser cheinha, já é magra demais.
Meu peso dos sonhos sempre foi 58kg. Sim, é ate lá que eu quero chegar! Com ou sem apoio, rápido ou devagar.

Mas será o suficiente? 
Eu não me enxergo magra e nem sei se um dia vou me enxergar.

Estou relatando a experiência pessoal, pois sei que muitas pessoas passam pela mesma situação.
Me preocupa o fato de acabarmos tão ligadas à dieta, regime, calorias, etc, que nossa felicidade fica diretamente vinculada à isto.
Quantas e quantas vezes já li em blogs "Quero ser feliz. Quero ser magra" ou "Só vou ser feliz, quando atingir a perfeição".
Por que não nos permitimos alcançar a tal felicidade, independente do tamanho de nossos corpos?
Em qual quilograma se encontra a satisfação?

Escrevi sobre isso em meu diário de dieta (tento manter um, para controle), que acabou virando um diário pessoal, de desabafo. O texto está bem parecido com este post...

Para reflexão, gente.

Beijos, 

Lu

A imagem utilizada no post não é de minha autoria e não encontrei qualquer referência sobre os autores

Nenhum comentário:

Postar um comentário